quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Meu limão, meu limoeiro


Meu limão, meu limoeiro
Meu pé de jacarandá
Uma vez tin-do-lelê
Outra vez tin-do-lalá

Morena, minha morena
Corpo de linha torcida
Queira deus você não seja
Perdição da minha vida

Meu limão, meu limoeiro
Meu pé de jacarandá
Uma vez tin-do-lelê
Outra vez tin-do-lalá

Quem tem amores não dorme
Nem de noite, nem de dia
Dá tantas voltas na cama
Como peixe n´água fria

Meu limão, meu limoeiro
Meu pé de jacarandá
Uma vez tin-do-lelê
Outra vez tin-do-lalá

A folhinha do alecrim
Cheira mais quando pisada
Há muita gente que é assim,
Quer mais bem se desprezada

Meu limão, meu limoeiro
Meu pé de jacarandá
Uma vez tin-do-lelê
Outra vez tin-do-lalá.

(Cantiga popular que fez bem demais ao meu coração)


Lá em casa tinha um quintal, tinha flores, e amores
Tinha um jacaré, um galo garnizé, e uma pata com fé.
E tinha um pé de limão
E chá da tarde, nas porcelanas de boneca,
com folhas do meu limoeiro.
Era tarde ainda de fim de inverno,
Sabe que vez em quando chove ô mariazinha!
Que caia chuva gostosa, já de tardizinha...
Brilhava, não castigava e era bem fininho
Parecia orvalho de árvore.
E se fazia pulinhos nas poças, dona moça!
Brincadeira de enchurrada dá gargalhada.
Hora do banho
Perfume
Vestido engomado
Fita vermelha na cabeça.
Menina senta à mesa comportada!
Caldeirão de sopa quentinha
Pão de alho
Carne assada.
Queijo amanteigado...
E eu era feliz e não sabia...



Ps: Brincadeira de crianças, Heitor dos prazeres.

2 comentários:

Fred Caju disse...

Há mais de 172 anos que eu não ouvia isso!

Iyalê Tahyrine disse...

"Eu era feliz e não sabia" como pessoa nostálgica que sou, teimo em repetir essa frase em pensamento vez ou outra.